06 / 12 / 2016

O seu cansaço custa bilhões à economia

Está com sono? Saiba que as empresas estão cada vez mais preocupadas com isso. Só nos EUA, a indisposição dos profissionais tira de US$ 280 bilhões e US$ 411 bilhões do PIB
por
http://carreiras.empregos.com.br/

Não são apenas os profissionais que estão se preparando para a 4ª revolução industrial. As empresas também estão de olho nas novas demandas do mercado. E a preocupação com o bem-estar de seus trabalhadores é cada vez maior.

Afinal, são os funcionários que movem a economia, e algo alarmante está acontecendo. As pessoas estão dormindo cada vez menos, e tem trabalhado com muito sono. O resultado? A saúde acaba prejudicada – e os lucros da empresa também.

Um novo estudo da RAND Corporation, centro de pesquisa norte-americano, analisou o impacto da indisposição dos trabalhadores sobre a economia de 5 países ricos: Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Japão e Canadá.

O resultado foi que, juntos, esses países perdem entre US$ 480 bilhões a US$ 680 bilhões por ano com o cansaço de seus trabalhadores.

Os danos

Como estão com muito sono, a produtividade é drasticamente afetada. Além disso, dormir menos de 6 horas por dia afeta a imunidade do organismo, e, portanto, a ocorrência de faltas ao trabalho por causa de doenças aumenta.

Entre outros riscos, o relatório também apresenta que diabetes, doenças cardiovasculares, depressão e ansiedade podem ocorrer em pessoas que vivem bastante cansadas.

Para combater esse mal, o indicado (além de se deitar mais cedo para dormir), é praticar exercícios físicos pela manhã; diminuir a ingestão de alimentos gordurosos; evitar bebidas alcóolicas; e não se distrair com a TV ou o celular minutos antes de dormir.

O que as empresas podem fazer?

Algumas empresas já começaram a se mover em relação ao impacto que a falta de sono traz à economia. Não querendo perder mais nem um centavo, as organizações investem em benefícios que motivam seus funcionários.

A seguradora norte-americana Aetna, por exemplo, foi ainda mais a fundo no tema. Desde 2009, ela paga anualmente uma recompensa de US$ 300 (aproximadamente R$ 970) aos funcionários que dormem pelo menos 7 horas por noite.

O registro é feito por um monitor de pulso, ou por anotações manuais – a empresa confia que seus funcionários digam a verdade.

Seu objetivo é se tornar referência para que as demais organizações percebam que promover a qualidade de vida é o mesmo que aumentar a capacidade de trabalho dos profissionais.

Esta matéria ajudou você?

+ 3 pessoas ajudadas
Topicos:

Comentarios