29 / 03 / 2008

Dia do trabalho: tempos de crise? Não! Ação, já!

por
http://www.empregos.com.br

por Leila Navarro

Dia 1º de Maio é a data em que comemoramos o Dia do Trabalho, mas me parece que as pessoas comemoram o emprego neste dia. Porém, emprego é uma coisa que não tem gerado motivo para comemoração ultimamente. Mas isso não é somente aqui no Brasil, é uma questão mundial.

Dizem os futurólogos que como resultado da globalização, da automação e do processo econômico que estamos atravessando, os empregos se tornarão cada vez mais escassos, estimando–se que haverá emprego somente para um terço da população mundial.

Vejo somente uma saída: mudarmos nossa percepção sobre as empresas, pois elas nascem, crescem, às vezes une-se à outra, outras vezes dividem-se, em um processo que muito se assemelha ao ciclo vital dos seres humanos. E como ocorre com todos nós, elas também adoecem, morrem ou transformam-se, alterando dramaticamente a vida daqueles que, de uma forma ou de outra, dependiam delas.

De fato, os sentimentos que temos quando perdemos o emprego ou assistimos à falência da organização a que dedicamos tempo e talento assemelham-se aos que experimentamos com a perda de um ente querido: tristeza, desamparo, raiva, impotência. Muitas vezes até nos sentimos traídos e pensamos: “Como ele nos deixou sozinhos depois de tudo que sonhamos juntos”, “O que vou fazer da minha vida?”, “Como sobreviver à perda?”. Perguntas inevitáveis, freqüentes, que revelam toda a nossa insegurança diante de um fato que não podemos mudar e cujo impacto em nosso cotidiano é tão forte que muitas vezes faz com que a gente se esqueça de que ainda temos o poder de estabelecer uma nova meta e de caminhar em sua direção.

Mas como fazer isso? Esta pergunta foi feita recentemente pelo funcionário de uma empresa tradicional, centenária, que decidiu fechar uma de suas unidades – uma decisão que implicará no afastamento ou recolocação de aproximadamente 200 pessoas. “Decidimos formar um grupo de motivação, que nos estimule a sair da crise, mas estamos sem rumo”, contou ele, antes de colocar o que mais o preocupa: “Se a motivação está em cada um de nós, o que devemos fazer para motivar 200 pessoas que não têm destino certo e seguro?”

Situações como essas são cada dia mais comuns. Temos que aprender a sobreviver a elas – melhor ainda, ganhar com elas! – não é difícil, mas exige mudanças de postura e de crença. Para começar, não é hora de montar grupos de motivação. Na verdade, motivos nós já temos o suficiente. O que está faltando é ação. Nesses casos, é recomendável esquecer os grupos de motivação e fazer um mutirão de ação que estabeleça rapidamente novas metas, fixe estratégias criativas e efetivas para atingí-las e faça com que todos os envolvidos cheguem lá, sejam salvos e… motivados!

É essencial, ainda, deixar de ver essas situações como problemáticas, lembrando-se do ensinamento oriental: se um problema tem solução, deixa de ser problema; se não tem solução, também não constitui problema – a saída, neste caso, é procurar rapidamente novos caminhos, idéias, ações, pois perder energia atrás de soluções impossíveis não é saudável nem inteligente.

Nesses momentos, é importante saber distinguir duas atitudes bem diferentes: perseverança, que nasce da confiança em nossas metas; e teimosia, que faz com que nos agarremos ao impossível porque não acreditamos que tenhamos qualquer outra possibilidade ou simplesmente porque nos recusamos a largar o osso – muitas vezes nos esquecemos de que desistir não é sinal de covardia e, sim, de maturidade e sabedoria!

Quatro procedimentos simples são de grande ajuda nesse processo. Vamos a eles:

1. Busque um local tranqüilo e certifique-se de que não será perturbado por qualquer fator externo. Analise cuidadosamente a situação que está vivendo. Escreva todas as saídas possíveis para essa situação. Coloque o seu corpo em uma posição relaxada. Imagine cada uma das possibilidades separadamente, observando as reações do seu corpo, percebendo em qual delas ele fica mais confortável e feliz. O corpo é inteligente e pode ajudá-lo em uma decisão importante.
2. Pesquise! Leia sobre o assunto e converse com pessoas que já passaram por situação semelhante. Saber que você não é o único a enfrentar determinado tipo de dificuldade traz uma certa tranqüilidade e é de grande ajuda – além disso, a experiência alheia pode apontar caminhos inovadores.
3. Não tenha medo. Melhor, tenha fé em você mesmo e acredite que as dificuldades serão vencidas. Afirme isso repetidas vezes, até o seu cérebro acreditar. Quando repetimos muitas vezes a mesma coisa, o cérebro passa a acreditar nisso, modificando o seu comportamento – ou seja, você constrói a sua realidade. Só é feliz quem acredita que é!
4. Mantenha uma postura empreendedora. Ela permite a você ver toda e qualquer situação, por mais difícil que seja, como uma oportunidade de crescimento, de aprendizado, de negócio, de transformação positiva. Nesse sentido, não vale cruzar os braços esperando as coisas acontecerem, muito menos culpar terceiros pelo seu momento: reflita, planeje e, principalmente, aja !

Sugestão: entre no meu portal e faça o curso online “Descobrindo seu perfil empreendedor”. Pode ser um começo para você aprender como comemorar o dia do trabalho com mais dignidade, correndo atrás de suas metas, sem esperar mais dos outros e sim começando a fazer por si próprio, para marcar a diferença porque: ”Nada muda se você não mudar”.

* Leila Navarro é colunista do Empregos.com.br, palestrante motivacional, autora de 3 livros (Talento Para Ser Feliz, SuperVocê e Obrigado Equipe); disponibiliza em seu site cursos de planejamento estratégico e empreendedorismo e atualmente é Editora Executiva da revista Mulher & Carreira.

Esta matéria ajudou você?

Topicos:

Comentarios