08 / 02 / 2014

Dinâmica do objeto

Uma vez, pediram para eu levar para uma Dinâmica de Grupo um objeto que se parecesse comigo. Tive muitas dúvidas. Quais tipos de objeto são mais indicados? O quê eles procuram analisar nessa escolha? E como fazem essa análise?
por
http://carreiras.empregos.com.br/

por Izabel Failde

Pegunta
Uma vez, pediram para eu levar para uma Dinâmica de Grupo um objeto que se parecesse comigo. Tive muitas dúvidas. Quais tipos de objeto são mais indicados? O quê eles procuram analisar nessa escolha? E como fazem essa análise?

Obrigado
Renatto Attiê Lima

Resposta
Olá Renatto,

Muitas Dinâmicas de Grupo incluem objetos porque eles agem como facilitadores da comunicação, criatividade, relacionamento interpessoal, auto e hetero conhecimento, dentre outras competências.

Em seleção, uma das práticas mais utilizadas é apresentação e identificação. Veja:

Colocamo-nos do lugar do objeto e nos apresentamos em primeira pessoa. Exemplo: meu nome é Izabel e eu sou um batom. Faço parte da intimidade de muitas mulheres; algumas não vivem sem mim. Preciso saber ser utilizada, caso contrário deixarei as pessoas mais feias e, com isso, mais tristes.
Utilizamos o objeto para nos apresentar salientando as semelhanças e diferenças entre nós.
Exemplo: meu nome é Izabel e escolhi uma bolsa para me apresentar. Somos semelhantes na capacidade de absorção: parece que sempre há lugar para mais um objeto, ou mais um aprendizado, mais um amigo, mais um trabalho. Também somos parecidas quando estamos cheias, prestes a explodir, a sensação é que o zíper vai se romper a qualquer hora, por isso é importante colocar limites.
Enquanto falamos do objeto falamos de nossas próprias vidas e personalidades, quer seja por semelhanças, quer por diferenças. E durante essa “revelação” nos expressamos, o que permite aos selecionadores observar vários componentes do processo de comunicação: dicção, vocabulário, verbalização, seqüência lógica da conversação, argumentação, criatividade. E assim vai, de acordo com as necessidades do cargo e empresa em questão.

Para mim, não há objetos “certos” ou “errados”; há aqueles com os quais os candidatos se identificam, escolhem, utilizam-no para fazer sua atividade. Procuro abster-me de expectativas, pois nessa fase é importante abrir-se para observar o candidato como se apresenta. Assim, não importa o objeto em si, mas como o candidato utiliza-o para executar as atividades propostas.

Ao final do processo seletivo temos várias observações e análises do candidato, considerando as características do cargo em questão e suas “nuances” (empresa, negócio, equipe, gestor).

Mantenha sua espontaneidade durante o processo seletivo. Durante – e ao final deste – faça sua auto-avaliação. Considerando a performance apresentada, sem comparação com nenhum dos presentes, você se contrataria?

Espero que sim!

Abraços e paz profunda a você!

Dra. Izabel Failde

Esta matéria ajudou você?

+ 1177 pessoas ajudadas
Topicos:

Comentarios