A procura do candidato ideal para suas vagas em aberto? Anuncie no Empregos.com.br[close]

Para sua Carreira.

Orientação e dicas para você atingir seus objetivos.



(21.09.09)

Criação de empregos deve aumentar no 4º trimestre

Empresários brasileiros estão confiantes, revela pesquisa; setor de serviços é o que deve contratar mais


Os empresários brasileiros estão otimistas no quesito contratação no quarto trimestre de 2009 em comparação com outros países da América. O índice que mede a expectativa de emprego é de 21% no Brasil. Em perspectiva mundial, perde somente para a Índia, com 34%. As informações resultam da Pesquisa de Expectativa de Emprego desenvolvida pela Manpower, que entrevistou mais de 72 mil empresários e acaba de incluir o Brasil entre os 35 países pesquisados. Foram entrevistados 984 empregadores brasileiros.

O índice decorre da diferença entre a porcentagem dos entrevistados que preveem um aumento nas contratações e a porcentagem dos entrevistados que presumem uma diminuição nas contratações.

No Brasil, entre oito setores analisados, o ramo de serviços foi o que apresentou maior expectativa líquida de contratação, com 33%, enquanto a área de construção civil foi o que teve menor índice de perspectiva, com 7%. Em segundo lugar ficaram os empregadores da área de finanças (31%), seguido de transportes e serviços públicos (22%), administração pública (22%), comércio (21%), agricultura, pesca e mineração (20%) e indústria (17%), em penúltimo lugar. Entre as regiões brasileiras pesquisadas, o Estado do Rio de Janeiro é o que aparece com maior índice de confiança, com 25%, seguido de Paraná (23%), São Paulo (21%) e Minas Gerais (20%).

“Durante o período de crise econômica, o governo brasileiro conseguiu acumular reservas por conta de uma política focada na responsabilidade fiscal e em medidas anticíclicas, o que deu subsídios para que o Brasil conquistasse uma posição de destaque no mercado de trabalho latino-americano e mundial”, avalia o diretor comercial da Manpower Brasil, Pedro Guimarães, destacando ações como a queda da taxa Selic nos últimos meses, além da concessão de isenções fiscais para a indústria automotiva, eletrodomésticos (linha branca), materiais de construção e bens de capital (máquinas e equipamentos para produção), segundo ele, medidas que contribuíram para o aumento da demanda por trabalhadores.

Panorama No balanço geral, 17 dos 35 países pesquisados acreditam no crescimento do mercado de trabalho. Os países de melhor expectativa são predominantemente de economia em desenvolvimento como Índia, Brasil, Colômbia, Peru, China, Cingapura, Costa Rica, Taiwan e Polônia.  Os únicos desenvolvidos que figuram neste grupo são Austrália e Canadá. As expectativas mais negativas vieram da Romênia, Espanha, Irlanda, Japão e México.

Em análise global, o quarto trimestre de 2009 irá continuar a ser um desafio para contratação em todo o mundo, ainda que a expectativa em expandir o número de funcionários tenha melhorado de três meses para cá em dois terços dos países e territórios pesquisados.

Nesse contexto, a elaboração de estratégias e políticas de retenção de talentos com a retomada do crescimento econômico será fundamental para garantir competitividade entre as empresas. “Quando os empregadores não encontram funcionários no perfil desejado disponíveis no mercado, vão buscar imediatamente em seus concorrentes. Sem uma ação de retenção de talentos sólida, a companhia pode perder um colaborador chave para o sucesso dos negócios. A tendência é que as corporações retomem os investimentos em capital humano com a melhora da economia”, analisa Pedro Guimarães, da Manpower.

Sobre a pesquisa
O estudo da Manpower foi realizado por meio de entrevistas com 72.038 gerentes e diretores de Recursos Humanos em 35 países durante este trimestre, com o objetivo de relatar as expectativas de contratação para os últimos três meses do ano. O levantamento está sendo aplicado há mais de 45 anos e a partir desta edição teve o Brasil como um dos países permanentemente pesquisados sobre as expectativas do empresariado para os quatro trimestres de cada ano.

Participaram da pesquisa, empregadores das seguintes regiões:

 - América: Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, Guatemala, México e Peru;

- Ásia e Oceania - Austrália, China, Hong Kong, Índia, Japão, Nova Zelândia, Cingapura e Taiwan;

 - Europa, Oriente Médio e África - África do Sul, Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Itália, Noruega, Polônia, Reino Unido, República Tcheca, Romênia, Suécia e Suíça.

Receba informações no seu e-mail sobre RH e o mundo corporativo