A procura do candidato ideal para suas vagas em aberto? Anuncie no Empregos.com.br[close]

Para sua Carreira.

Orientação e dicas para você atingir seus objetivos.



Quais são os desafios de RH para 2002?
por Izabel Cristina

Depois de um ano agitado, de intensa valorização das práticas de RH nas organizações e nas consultorias, quais serão os próximos passos na área de Recursos Humanos?

O fato é que ainda há um longo caminho a percorrer. Ao conversar com especilaistas, é possível perceber que o cenário é de otimismo cauteloso, pois o quadro econômico mundial ainda apresenta incertezas e há uma certa volatilidade no mercado.

A ordem em Recursos Humanos para 2002 é oferecer resultados. “O profissional de RH deve assumir uma atitude pró-ativa, assimilar desenvolvimento e resultados. Quem não agregar valores aos negócios não terá espaço”, afirma Loris Temer, diretora de Recursos Humanos da Trevisan . Portanto, ficará desatualizado quem não pensar na empresa como um todo. É preciso ser um profissional completo, capaz de agregar conceitos e conhecimento de outras áreas como marketing e finanças.

É opinião unânime entre vários profissionais da área entrevistados pelo Empregos.com.br que estar atento aos movimentos do mercado e conduzir suas ações de modo que reflitam positivamente no negócio da empresa será ainda mais importante em 2002. Para ter o perfil ideal do profissional de Recursos Humanos, some a isso a necessidade de atender as metas da corporação, garantir o bom clima organizacional, gerenciar competências e conhecimentos, e ainda mediar as negociações entre empregados e empregadores com extrema habilidade, devido às mudanças na CLT (Consolidação da Lei do Trabalho) que poderão acontecer em 2002.

Segundo Cassio Cury Mattos, presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos), as perspectivas para os profissionais são otimistas. “ Esperamos um 2002 bom. Se o Senado aprovar a flexibilização da CLT, o mercado deve reagir ainda melhor. Prevê-se um crescimento de mercado de 5% no geral, talvez com o segmento de prestação de serviços essa estimativa fique entre 8 e 10%”.

Os profissionais de RH são responsáveis pela interação interna na busca de um objetivo comum. Uma relação só é boa quando há equilíbrio e satisfação para as partes envolvidas. Se o empregado se sente desafiado, motivado e reconhecido, e a empresa alcança seus objetivos e metas, ambos ganham. “O RH é justamente a área que trabalha para que isso aconteça. O gestor de pessoas é o estrategista corporativo responsável pela integração entre funcionários e empresa”, complementa Cassio Cury.

O serviço de recrutamento online promete crescer ainda mais em 2002. Para as empresas, é uma atividade que representa significativa economia, e para os profissionais de recursos humanos, é uma ferramenta que agiliza e simplifica o processo. “O recrutamento online é excelente. Ajuda na busca dos candidatos em potencial para a seleção. É uma ferramenta ágil. Hoje podemos armazenar todos os currículos num banco de dados e acessá-los de acordo com a necessidade, os requisitos mínimos e exigências estabelecidas pelas empresas”, afirma Loris Tamer, diretora de Recursos Humanos da Trevisan Recursos Humanos.

Veja outros desafios que os profissionais de RH deverão enfrentar em 2002, segundo reportagem da revista T&D de abril de 2001:

Função estratégica - É o fator mais crítico da área. Com o reconhecimento do fator humano e o peso que isso exerce sobre o desenvolvimento dos negócios, hoje já não basta ao gestor de RH ter apenas a habilidade de lidar com as pessoas. Outros áreas dentro da empresa finalmente colocaram em prática o discurso sobre a valorização das pessoas na corporação. Para não se perder numa retórica vazia, os profissionais de RH precisarão criar um conjunto de ações e estratégias que dêem suporte ao discurso que já está propagado na empresa. O RH precisa ser capaz de antecipar os conhecimentos necessários para o futuro, deixando de reagir apenas para atender às demandas e pressões da empresa.

C omunicação - Nada que seja articulado ou produzido pelo RH terá ou agregará valor, se não houver uma boa comunicação interna. Sabemos que isso é um problema geral que envolve não apenas a área de RH, mas também a organização e o negócio. Como integrar todos? Como criar espaços para discussão dos rumos da empresa? Como utilizar a comunicação como meio para “vender” idéias da empresa para os funcionários? O propósito da comunicação interna é fazer com que as pessoas falem e pensem o negócio com um todo, envolvendo-as nas decisões e mantendo-as informadas.

Liderança Visionária - Não há dúvidas quanto a importância da liderança numa organização. Trabalhar essa questão não é um serviço fácil para RH. É de sua responsabilidade dar suporte e trabalhar os potenciais de liderança que existem na empresa. Um líder precisa ser capaz de anteceder as possibilidades, fazê-las acontecer e conduzir a equipe. Como RH poderá se transformar num gestor de líderes?

Trabalho e remuneração - uma das áreas em que as mudanças ocorridas na empresa se tornam mais visíveis. Oscilações no mercado, contratações, demissões e renegociações influenciam o trabalho dos profissionais de RH. O gestor precisa estar atento às mudanças e formular programas de atração, manutenção e desenvolvimento de talentos. Conhecer os novos formatos de remuneração, compensação e benefícios. Desenvolver formas de contratação, recrutamento e seleção.

Motivação - a motivação está vinculada à satisfação no trabalho e às expectativas de desafios. Para RH, criar motivação é um desafio. Com as mudanças organizacionais, é preciso organizar atividades, métodos e palestras motivacionais. Como integrar e motivar culturas distintas? Aqui não cabe a situação: satisfação garantida ou seu dinheiro de volta.

Resultados e Performance - Hoje o RH, assim como qualquer outra área da empresa, precisa apresentar resultados. Levantar viabilidade econômica, estipular metas e apresentar avanços são práticas também dos gestores de recursos humanos. Os números dizem tudo, inclusive o que deixou de ser cumprido. Avaliação de desempenho, mensuração e retorno de investimentos são resultados que a área precisa apresentar à empresa.

Função Social - Atualmente nenhum projeto pode se esquivar da função social. A empresa é responsável pela comunidade na qual está inserida e deve participar ativamente da construção de valores sociais e implementar condições que melhorem a vida das pessoas com quem se relaciona. Ao RH cabe o papel de envolver seus colaboradores em ações sociais.

Gestão do conhecimento - Esse item está diretamente relacionado ao sucesso e ao desenvolvimento de um empreendimento. É preciso conhecer a informação, seu valor e transformá-la em um conhecimento palpável e mensurável para a empresa. É preciso estipular o que é informação e conhecimento. Administrar as novas tecnologias em benefício da gestão do conhecimento, para que ele seja compartilhado. Trabalhar temas como universidade corporativa e e-learning.

Essas são algumas das tendências de mercado para a área, frutos de uma reestruturação que vem ocorrendo desde 1970, quando as mudanças organizacionais passaram efetivamente a ser colocadas em prática. O gestor de recursos humanos não tem mais escolha, é preciso mudar e promover mudanças. Seu trabalho deverá ser desenvolvido em conjunto com as estratégias e focos da empresa.

Receba informações no seu e-mail sobre RH e o mundo corporativo